Quando eu era mais novo, sair de casa de bermuda a noite era coisa de vagabundo, daqueles vagabundos bem descarados. Andar de chinelo então, só sendo maloqueiro mesmo. Exageros a parte era mais ou menos assim.

Quando tinha que sair a noite para alguma festa, a bermuda amargava um canto VIP na gaveta, a não ser que fosse, assim, algo de menor importância, uma visitinha. E olhe que lá onde eu morava sentia-se frio quando os termômetros registravam 26 graus. É um calor desgraçado.

Mesmo assim, nada de bermuda. Eu odiava isso. Pense em um calor insuportável. A perna começava a suar e logo ficava irritado. Porém meus pais logo reclamavam se pensasse utilizar a despojada vestimenta como amenizador do tórrido clima noturno. Aliás, muita gente olhava de cara feia. “Vixe, que coisa de maloqueiro, tá desarrumado viu?” De dia tudo bem. De noite nunca.

Engraçado como estas coisas marcam a gente de uma maneira incrível.

Antes que alguém fale que isto é coisa do passado ou de cidade pequena, gostaria de dizer que me proibiram de entram em um restaurante mequetrefe, meia-boca e chinfrim lá em Las Vegas pois não estava de calça social e camisa manga longa. This is really “provinciano” baby. Mesmo no primeiro “mundo”, this is very very very usual thing. Minha bermuda foi barrada, e eu, como bom companheiro que sou, fui barrado junto.

Hoje moro em uma cidade onde todo mundo usa bermuda. Uma cidade tão quente quanto a minha primeira residência. Mas aqui todo mundo usa bermuda a noite. Outro dia desses fui em um restaurante italiano muito chique. Coisa fina. Do tipo que nem coloca faca na mesa se você pedir um espaguete. É garfo e colher mesmo. Onde já se viu comer macarrão com colher? Enfim…

Coloquei a calça e segui para o lá (obviamente também usei camisa e uma cueca bonita). Para meu espanto, havia várias pessoas de bermuda. Desde crianças a senhores de idade. Certo estavam eles, a despeito de ser noite, o calor infernal pairava sobre o ambiente.

Foi aí que comecei a pensar no assunto. Em certos momentos até tento usar bermuda a noite, porém simplesmente não consigo. Basta vislumbrar a possível hipótese de colocar a danada da bermuda e pimba! Me sinto desarrumado e visto a calça. Êê trauma arretado. Porém, no momento que saio de casa, começo a suar, ficar irritado e olho para os outros de bermuda… Mesmo assim, simplesmente é impossível vestir aquele uniforme da má-criação.

Tenho tentado vencer isso, afinal é só uma bermuda, mas que o ventinho faz toda a diferença… isso ele faz.

E assim o verão passou. Um dos piores verões da história disseram os mais velhos. Acredito. Especialmente porque passei o verão todo de calça.

20140530-231729.jpg